segunda-feira, 18 de março de 2013

10º Capítulo



Oioi meninas lindas, aqui está o 10º Capítulo, espero que gostem. tive assim pequenas ajudas, sendo que a parte do jogo do Benfica foi tudo o meu namorado que me foi dizendo, ele é que percebe disso não é?! Bem, espero que gostem e deixem os vossos comentários, são muito importantes para mim.

Beijinhos

(Matic)

Eu queria, eu queria mesmo muito continuar com o que estávamos prestes a fazer, iria ser perfeito, eu tenho a certeza, mas ela não estava preparada, eu sentia-o, por isso, decidi que não o iria fazer, eu amava-a, esperaria o tempo que fosse preciso.
- Vamos parar.
- Porquê?

- Porque não quero que forces nada.

- Mas tu queres,..

- Pois quero, mas amo-te o suficiente para esperar o tempo que for preciso por ti.

- Mas e se passar muito tempo?

- Passe o tempo que passar, eu vou estar aqui à tua espera amor.

- Sabes uma coisa?

- Diz princesa.

- Eu amo-te tanto tanto tanto meu amor.

(Inês)
Fiquei triste e feliz ao mesmo tempo, porque a verdade é que não me sentia preparada mas ele queria fazê-lo, e por outro lado ele deu-me uma enorme prova de amor, e sinto que cada vez o amo mais e mais.
- Eu também te amo muito princesa.

- Obrigada por seres tão compreensivo.

- Eu sou pelo simples facto de querer fazer amor contigo e não apenas sexo.

- És perfeito, a sério.

A noite passou, adormeci nos braços do meu menino e senti-me especial, cada dia que passa consigo surpreender-me mais com a sua personalidade de uma maneira que nunca pensei ser possível.

- Amor, tens de te levantar.

Senti montes de beijos por toda a minha cara a dizer que tinha mesmo de me levantar e eu não queria nada ter de sair dali, dormir agarrada a ele é assim, simplesmente perfeito e não queria acabar com aquilo, mas tinha mesmo de ir para a faculdade, lá fiz um esforço e comecei a levantar-me.

- Ai amor, não me apetece nada.

- Mas tem de ser princesa.

- É, eu sei.

(Matic)

Aquela noite tinha sido perfeita, com ela sinto que realmente pode dar tudo certo, o despertador tocou e ela mexeu-se mas foi para se virar e continuar a dormir, tentei acordá-la com beijinhos, o que fez com que ela abrisse os olhos e sorrisse, aquele sorriso lindo que me deixou logo derretido. Eu também não a queria fora dali, mas ela tinha mesmo de ir. Foi tomar banho e deixei-a à vontade no quarto para se vestir, quando ela desceu para o pequeno-almoço, propus-lhe um almoço a dois.

- Amor, queres almoçar comigo hoje?

- Claro que sim.

- Olha, vocês vêm mesmo ver o jogo certo? Quero dar os parabéns à Andreia pessoalmente e vamos dar-lhe a prenda.

- Hum, sim claro, está tudo combinado, nós também vamos ver se lhe damos assim que chegarmos ao jogo para dar-mos todas juntas.

- Está bem princesa, queres que te leve?

- Não é preciso amor, obrigada.

- Eu faço questão amor, vá vamos lá.

- Teimoso. E já agora, onde vamos almoçar bebé?

- Surpresa.

- Vais deixar-me assim o dia todo amor?

Adoro a maneira fantástica que ela tem de tentar dar-me a volta só de fazer beicinho e encher-me de beijos, mas mesmo que tivesse vontade de lhe responder, aguentei-me e continuei com o suspense.

- Depois vês amor, também passa rápido.

- Está bem pronto amor.

- E pronto, chegámos amor, depois manda-me mensagem para eu vir buscar-te.

- Obrigada teimosinho. Sim amor, eu mando.

Despedimo-nos com vários beijos porque eu estava sempre a agarrá-la para não a deixar ir, fazendo-a gargalhar imensas vezes.

Amava estes momentos, amava mesmo.

O tempo passou e recebi uma mensagem da Inês a dizer para a ir buscar, eram precisamente 12h30, o que deu tempo suficiente para chegar ao restaurante à hora que eu tinha marcado.

(Inês)

Eu estava mesmo em pulgas para saber onde ele me ia levar. No caminho fui-lhe contando o que aconteceu durante a manhã. Quando vimos a Andreia a chegar à faculdade demos-lhe os parabéns assim em altos berros, a fazer figuras, completamente, mas pronto, somos assim mesmo, e o Matic não parava de se rir com o que lhe contava.

Acabámos por chegar a um restaurante mesmo na beira da praia, como eu amava aquele ambiente, fazia-me lembrar o verão. Fiquei completamente maravilhada com tudo aquilo, era simplesmente perfeito, e obviamente o lugar que ele tinha marcado era o mais isolado do restaurante, ele foi mesmo um querido.

Depois de almoçar-mos ele não deixou que dividíssemos a conta, e levou-me a passear até marcar as 16h, para ele me deixar no colombo e seguir para a luz, para o grande Benfica-Braga.



***

(Javi)

Ela deixou-me ali assim sem reacção, quer dizer, ela provoca-me e depois deixa-me assim na mão, mas eram aquelas atitudes que me fascinavam nela, ninguém me tirava da cabeça que ela estava interessada, e isso para mim já era bom. Fui em direcção ao meu carro e fui para casa. Não conseguia adormecer, e mandei-lhe uma mensagem.

De: Javi

Para: Joana

“Porque é que tu me fazes isto?! A sério, não podes apenas não resistir? Tiras-me literalmente do sério Jú. Logo vais ver o jogo? Espero que sim. Boa noite.

Beijinhos.”

Acabei por adormecer à espera da sua resposta.

(Joana)

Acordei e vi que tinha uma mensagem do Javi, não pude deixar de sorrir, quer dizer eu estava realmente a resistir, mas não porque não queria saber dele, mas sim porque o queria fazer interessar-se mais em mim, porque eu gosto mesmo dele, mas não vou ser fácil, não vou sofrer de novo, tinha de ter mesmo a certeza de que ele gostava verdadeiramente de mim.

Despachei-me e fui para a faculdade. Recebemos a nossa Andy aos berros, foi o delírio, ainda por cima ela que ficou toda envergonhada, mas é assim que somos felizes. As aulas passaram-se e fui para casa, estava a preparar um almoço rápido porque às 16h tínhamos combinado todas no colombo.

(Javi)

Estava literalmente a desesperar, ela não me tinha respondido, e sabia que ela tinha aulas por isso esperei e por volta das 13h15 fui para a casa dela. Tinha de continuar a insistir, já não aguentava tanta provocação.

Toquei à campainha, ela abriu e sorriu.

- Porque estás a sorrir?

- Porque não estava à espera, mas gostei.

- Jú, a sério eu fiquei preocupado, não me disseste nada desde ontem.

- Mas como vês está tudo bem.

- E achas que me podes deixar entrar ou vais deixar-me aqui à porta?!

- Hum, não sei, deixa ver.

- Opá Joana, não me faças isso.

- Calma eu estava a brincar.

Eu já não estava mesmo a aguentar, quer dizer, eu estava caidinho por ela, e ela sempre, como que, a dar-me para trás.

- Tu não estás com boa cara Javi.

- Posso ser sincero contigo?

- Sabes que sim Javier, e já não me está a cheirar bem esta conversa.

- Não é assim nada de mais, mas quero saber se estás ou não interessada em mim, porque juro-te que me passo com todas as provocações, desejo-te cada vez mais, e às vezes não entendo o porquê de fazeres certas coisas, ao ponto de me deixares assim completamente pendurado, e eu am,..

Ela não me deixou acabar a frase e beijou-me. Beijou-me como nunca antes o tinha feito, em que eu sentia que ela me amava, que ela me desejava de verdade.

- Não digas mais nada, e desculpa se te fiz sentir assim, mas eu não quero parecer fácil e não quero sofrer entendes? Mas peço mesmo desculpa Javi, queres aproveitar e comer qualquer coisa? Ah e claro que vou ao jogo, vou com as meninas.

- Parecer fácil?! O amor “à primeira vista” é uma coisa boa, e não quer dizer que as pessoas em questão sejam “fáceis” como dizes Joana. Amar alguém e ser correspondido é do melhor que pode haver. Podes ter sofrido imenso, não te condeno por isso, mas não podes pensar que o próximo que vem te vai fazer o mesmo, porque assim nunca vais conseguir ser feliz. E se tu me deixares, eu farei certamente. Sim, estou cheio de fome. Hum, ainda bem, assim aproveito e no fim dou os parabéns à Andy.

- Sim, tens razão, desculpa. E claro que deixo, mas promete-me que não me magoas.

- P-R-O-M-E-T-O.

- Amo-te Javier.

- E eu a ti Joana.

(Joana)

Ok, eu estava ciente de que estava louca por ele, não tinha noção era que ele já estava completamente maluco com tudo o que fazia, e de certa forma ainda bem, porque ele foi super querido e nunca pensei que o Javi seria assim. Saber que posso ser feliz com um homem como aqueles, faz-me delirar. Almoçámos e ele levou-me ao colombo, para seguir para a maravilhosa Catedral.



***

(Mariana)

Estava completamente rendida àqueles nossos momentos e não resisti ao dar-lhe um beijo no canto da boca, senti-me nervosa ao fazê-lo, mas teve de ser, sentia-me tão especial ao lado dele que queria demonstrar isso mesmo mas era envergonhada de mais para tal. Saí do carro e estava prestes a entrar em casa quando o Rodrigo me chama e me dá um beijo daqueles mesmo à filme, foi simplesmente maravilhoso.

(Rodrigo)

Depois de ela me ter dado aquele beijo no canto da boca não consegui resistir, percebi que ela poderia sentir o mesmo que eu e arrisquei. Chamei-a, puxei-a para mim e dei-lhe um beijo cheio de amor e desejo de a ter só para mim.

- Eu amo-te Mariana.

- E eu amo-te a ti Rodrigo.

Nada me conseguia deixar mais feliz do que aquilo que tinha acabado de acontecer. Sim eu amo-a, sim, ela é mesmo a mulher da minha vida.

- Amanhã quando chegares diz-me para eu te vir buscar, quero almoçar contigo.

- Está bem amor.

- Amo-te princesa. Boa noite, quando acordares manda-me mensagem sim?

- Sim amor, eu mando. Boa noite.

(Mariana)

Entrei em casa e deslizei sobre a porta, eu não podia estar mais feliz. Agora sim, eu sei que encontrei a pessoa certa, pode parecer ridículo, mas é a pura das verdades. Acabei por adormecer com o pensamento preso somente no Rodrigo. A noite passou e quando o despertador tocou nem parecia eu a acordar, estava demasiadamente feliz, que nem sonho tinha. Fui para o banho, tomei o pequeno-almoço e segui para a faculdade, acabando por trocar algumas mensagens com o Rodrigo pelo caminho.

Estávamos todas juntas quando a Andy chegou e ficámos completamente histéricas a dar-lhes os parabéns que toda a gente que estava ali reparou e não parou de olhar.

Já tinha acabado todas as aulas e fui em direcção a casa. Mandei uma mensagem ao Rodrigo que podia ir lá ter para ir-mos almoçar.

(Rodrigo)

Recebi a mensagem da minha princesa e fui ter com ela o mais rápido que pude. Queria estar com ela, queria mesmo aproveitar antes de ter de ir para o estádio. Cheguei a casa dela e ela já estava à minha espera, ela entrou no carro e seguimos para o restaurante de um amigo meu que ficava mesmo no centro de Lisboa, passámos um almoço maravilhoso, falámos sobre tudo e mais alguma coisa, eu estava realmente com esperança neste namoro, depois de tanta conversa e de tantos beijos trocados fui levá-la ao Colombo e segui para o estádio da luz.



***

(Diana)

Acabou por ficar tudo bem e ele levou-me a casa, demorámos imenso tempo para nos despedir-mos, eu estava com imensas saudades dos beijos dele e assim que ele virava costas eu chamava-o e dava-lhe mais um beijo. Acabámos por ir cada um para sua casa. Acabei por adormecer com um sorriso parvo na cara por estar a trocar mensagens com o Rúben.

O despertador tocou e eu, como todos os dias, não consigo ficar a molengar, ainda para mais num dia tão especial como o de hoje, que são os anos da nossa Andy. Despachei-me e juntei-me a elas à espera da Andreia que assim que chegou atiramo-nos literalmente para cima dela.

Estava a ir para casa quando o Rúben passou por mim de carro e me perguntou se queria ir almoçar a casa dele, ao que eu respondi que sim.

Foi um almoço bem passado, na melhor companhia, em que falámos de tudo, principalmente no medo do Rúben que iria ser hoje, no jogo ultrapassado.

(Ruben)

- Amor, estás preparado?

- Sim amor, estou. Não me importa o que possam pensar, eu só não quero é perder-te.

- Amo-te meu amor.

- Eu a ti princesinha.

- Gostas-te de almoçar aqui em casa amor?

- Sim porquê?

- E não queres almoçar cá amanhã e tomar o pequeno-almoço também?

Estava a tentar, numa pequena brincadeira, com que ela dormisse comigo esta noite. Ia chegar estafado a casa por causa do jogo, tudo o que queria era dormir na companhia da mulher da minha vida.

- Amor, mas assim teria de me levantar cedíssimo e já me vou deitar tarde porque vou ao jogo.

- Não percebes-te bebé? Eu quero é que durmas cá comigo,..

- Dormir contigo? Eu?

- Sim amor, quem haveria de ser?

- Oh, sim, claro que sou eu mas,.. Queres mesmo?

- Porque não haveria de querer?

- Esse medo Rú,..

- Tonta, esse medo que vai passar muito rápido tem a ver com o que as outras pessoas em geral possam dizer, não vamos ter propriamente público a ver-nos dormir né?!

- Oh, não sejas parvo, podias não querer só isso amor.

- Mas quero e muito, aceitas?

- Com muito gosto príncipe.

Tinham chegado as 16h, eu tinha de ir para a luz, e no caminho deixei a Di no colombo, para ficar com as meninas, estava ansioso de jogar para Ela.



***

(Daniela)

Num impulso beijei-o. Fomo-nos a beijar até aterrarmos literalmente no sofá, onde acabámos por adormecer. Acordei com vontade de ir à casa de banho, olhei para o relógio e ainda eram 3 da manhã, fui buscar mantas, voltei a deitar-me ao pé dele e a adormecer nos seus braços perfeitos. Tive de me levantar para ir para a faculdade, mas tentei despachar-me sem acordar o David. Quando acabei de tomar o pequeno-almoço tinha em mente ir acordá-lo mas não consegui. Deixei-lhe um bilhete, dei-lhe um beijo e saí.

(David)

Acordei e estava numa casa que só pelo cheiro do perfume que ainda pairava no ar, sabia logo que era da Dani. Levantei-me e não a vi em lado nenhum, quando fui ajeitar as mantas caiu uma folha de papel no chão.

“Amei a nossa noite, mas tive de sair, a faculdade chama, e combinámos todas para darmos os parabéns à Andy. Não tive coragem de te acordar, estavas a dormir profundamente. Mas de qualquer forma, faz o pequeno-almoço, e fica à vontade, faz como se tivesses em tua casa. Mas não saias daí está bem?! Eu volto rápido e quero almoçar contigo. Beijinhos.”

Ela era perfeita, pronto, apaixonei-me ainda mais, esta miúda pensava em tudo, mesmo tudo. Queria pedi-la em namoro e ia aproveitar esse tal almoço para isso mesmo.

(Daniela)

Cheguei a casa e tinha velas por todo o lado, pétalas de rosas espalhadas e um cheirinho a bacalhau à brás que me fez logo sorrir de uma maneira desajeitada. Ele foi ter comigo à sala e ajoelhou-se, pegou na minha mão.

- Queres namorar comigo Dani?

Eu só conseguia sorrir, mesmo que quisesse responder a voz não se conseguia fazer ouvir, estava estática, com aquele sorriso parvo que raramente desaparece.

- Então Dani, não dizes nada?

- Claro que quero David.

Finalmente consegui sair daquele transe e responder o que tanto queria ao meu menino lindo.

- A sério? Ainda bem, mesmo princesa.

(David)

Beijei-a depois daquele “Claro que quero” e só queria ficar assim, mas tínhamos mesmo de ir comer, hoje era jogo, não me podia dar ao luxo de comer tarde demais. Até porque ia levar a Dani ao colombo às 16h.

- Gostaste do almoço princesa?

- Amei amor.

Depois de mais umas trocas de beijos, chegaram as tão esperadas 16h e acabei por deixar a Daniela no colombo e seguir para o estádio.



***

(Nelson)

Não esperava aquele pedido da Sara, porque pensei que queria estar sozinha, mas ela estava demasiado mal e eu também queria estar assim agarradinho a ela para tentar fazê-la melhor por isso claro que aceitei e acabámos por adormecer entre muitos beijos e mimos. Acordei ao mesmo tempo que a minha princesa, e estranhamente ela acordou bem, muito bem por sinal, era bom vê-la assim.

- Amor, anda tomar banho comigo, tenho de me despachar, a Andy faz aninhos.

- Eu sei princesa, e vamos lá então, queres que te leve à faculdade?

- Não te importas bebé?

- Claro que não meu amor.

(Sara)

Eu acordei realmente bem, para além da minha melhor amiga fazer anos, tinha o homem da minha vida comigo, que mais poderia querer? Prometi a mim mesma que as coisas iam mudar, e mudaram, eu já estava mesmo bem. O Nelson tomou banho comigo, comemos, e ele levou-me à faculdade.

- Amor, depois vais almoçar com a Andreia?

- Não amor, ela tem planos com o Fábio, come tu comigo, vamos a um sítio qualquer.

- Está bem princesa.

- Até logo então amor.

- Até logo bebé.

O tempo passou e quando dei por mim estávamos, eu e o Nelson, a almoçar na praia, pois ele preparou tudo, foi-me buscar e levou-me até lá. Foi perfeito, até porque ele nestes últimos tempos não tem sido outra coisa para lá de perfeito comigo.

(Nelson)

Depois do almoço que eu lhe preparei chegou a hora de ir para o estádio, acabei por no caminho deixar a Sara no Colombo para ir ter com o resto das meninas.



***

(Andreia)

Não era má a ideia de descobrir que estava grávida do Fábio, quem considerava ser o homem da minha vida, mas ainda a estudar não era muito fácil conciliar, por isso optei por explicar isso ao Fábio.

- Amor, era bom, isso era, ter um filho teu é um sonho, mas eu ainda estudo, não era propriamente fácil para mim.

- Sim amor, eu percebo isso, só perguntei por perguntar bebé.

- Amor, vamos dormir?

- A princesa tem sono, é?

Ele encheu-me de beijos e acabei por adormecer no peito dele. Acordei, com o meu namorado a dar-me os parabéns, pronunciados por entre beijinhos em todo o meu corpo. Comecei a sentir-me mal disposta, o que me fez ir a correr para a casa de banho, para vomitar.

(Fábio)

Estava a dormir profundamente quando acordo e reparo que ela ainda dorme como uma princesa. Decidi enchê-la de beijos enquanto lhe desejava os parabéns. De repente ela saiu da cama e corre para a casa de banho, comecei a ouvir som de vómitos e apressei-me a ir para a casa de banho e vi a Andy sentada no chão a vomitar imenso, assustei-me, ela estava branquíssima.

- Amor, acalma-te, por favor, bebe um copo de água.

- Ai,.. nã,..o ,.. con,..sigo.

- Princesa, por favor, eu dou-te à boca, abre só a boca.

Dei-lhe a água e ela acalmou-se. Levei-a para a cama e ela estava realmente melhor, e a querer ir para a faculdade. Não queria que ela fosse porque podia ter um ataque de vómitos outravez, mas ela insistiu tanto que lá a fui levar.

Quando ela saiu das aulas já estava eu à espera dela para a levar a almoçar. Ela garantiu-me que estava a 100%, então segui para o restaurante e comemos num restaurante que se pode considerar “fino”, pedimos os nossos pratos e deliciamo-nos. Comecei por entregar as minhas prendas, eram umas rosas, que ela tanto adora. Levantei-me, fui pagar e quando voltei, dei-lhe um beijo no pescoço, pondo em sua volta um colar com o símbolo do infinito a dizer “Amo-te”. Quando ela pediu para ir-mos andando eu segurei-lhe na mão para ela se levantar e pus-lhe no pulso uma pulseira de ouro onde se podia ler “a mulher da minha vida, Andreia”.

(Andreia)

Fiquei louca com tanto mimo do Fábio, ele consegue fazer-me a pessoa mais feliz do Mundo, era realmente feliz ao lado dele, mas a cima de todos estes bens materiais o que eu quero mesmo é o amor dele para o resto da minha vida e fiz questão de lho dizer.

- Amor, obrigada por tudo isto, mas sabes que o teu amor para sempre me chega certo?!

- Amor eu sei disso, mas gosto e quero mimar-te muito, não gostaste?

- Claro que gostei bebé, amei até.

Beijei-o, e disse-lhe que tínhamos de ir embora, ele deixou-me no colombo, e seguiu para a nossa linda e maravilhosa Catedral.



***

(Nolito)

Tinha a plena noção de que ia custar, ia demorar, mas sei que desistir não iria nunca. Eu precisava dela, precisava mesmo. Ela fechou a porta e ouvi-a a chorar. Decidi não ir embora, e acabei por adormecer mesmo ali sentado à porta dela.

(Catarina)

Passei uma noite esquisita, visto que só pensava no Nolito e pensei mesmo muito até chegar à conclusão de que vou ficar bem com ele, mas que ele ainda tem de perceber que estou bastante frágil e que não sei quanto tempo terá ele de esperar que esteja completamente à vontade. Despachei-me e tomei o pequeno-almoço, quando abri a porta, caiu-me o Nolito aos pés, literalmente. Ele acordou sobressaltado e com dores.

- Nolito? O que estás aqui a fazer?

- Eish, adormeci aqui.

- És tão palerma, olha entra e cuida de ti, eu vou para a faculdade mas as aulas são só de manhã e volto logo, logo, não te vás embora que tenho de falar contigo.

- Hum,.. Está bem.

(Nolito)

Sorri, acho que pela primeira vez depois do que aconteceu vi a Catarina bem, não totalmente, mas bem. Fui tomar um banho e comer qualquer coisa quando ela apareceu em casa. Disse toda sorridente que ia preparar o almoço quando a interrompi.

- Catarina, fala primeiro o que tens para me dizer, por favor.

- Ok, então é assim, eu não dormi quase nada esta noite só a pensar em ti e a verdade é que estou apaixonada, não há mesmo volta a dar, e quero tentar contigo, quero mesmo, mas tens de ter paciência, eu ainda não estou totalmente bem, por isso, se me aceitares,..

- Mas é óbvio que sim, também não pensei que fosse assim de um momento para o outro, as coisas fazem-se devagar, mas o facto de já me estares a dar uma oportunidade faz de mim uma pessoa bastante confiante de que juntos, vamos ultrapassar tudo e todos.

(Catarina)

Num impulso abracei-o, ele fazia-me mesmo bem, tinha de por todos os medos de parte e começar a pensar em ser feliz.

Fomos fazer o almoço, massa à carbonara, que por sinal, ficou bastante deliciosa. Chegaram as 16h, hora combinada com as meninas no colombo, e fui ter com elas, pelos meus próprios meios, pedindo ao Nolito para assim ser.



***

(Raparigas)

Encontraram-se todas no Burguer King e começaram, à vez, a dar as prendas à Andreia.

Sara – eu fico para último, já sabes princesa.

Andreia – Ai, está bem, mas quero prendinhas, vá quem começa.

Mariana – Posso começar eu Andy. Espero que gostes.

Andreia abre o saco e tira de lá uma caixa que desembrulha rapidamente.

Andreia – Oh meu deus Mari, que lindos, opá obrigada mesmo.

Inês – Agora sou eu, eu, eu.

Andreia – Então força nênê.

Inês – Espero que gostes Andy.

Andreia abre uma caixinha muito pequena e tira de lá um par de brincos que a põe histérica.

Andreia – Ai tão lindos Inês, eu adoro brincos, oh meu deus, amei.

Daniela – Agora posso dar eu?

Andreia – Claro que sim Dani.

Daniela – Olha espero mesmo que gostes.

Andreia abre um saco e tira de lá um vestido estampado, que a deixa de boca aberta.

Andreia – Dani, isto deve ter sido caríssimo, é tão mas tão lindo, obrigada mesmo.

Daniela – Oh, não tens que agradecer, mereces.

Diana – Agora, é a minha vez.

Andreia – Quero ver quero ver.

Andreia abre o embrulho e depara-se com o seu perfume preferido.

Andreia – a sério? Isto é o meu perfume preferido, Obrigada Di.

Catarina – Posso dar?

Andreia – Claro.

Andreia abre e depara-se com uma enorme caixa de maquilhagem que a deixa de queixo caído.

Andreia – Tão linda e tão grande Cate, obrigada.

Joana – Agora é a minha vez, tem calma Sarinha que és já a seguir.

Sara – Ela vai sair daqui com tanta coisa.

Andreia – vou por no carro do Fábio, eles autorizam-me a entrar porque já me conhecem e vocês vêm comigo.

Todas – Está bem.

Andreia – Vá quero o teu Jú.

Andreia abre uma caixa relativamente pequena e vê o relógio que ela andava a namorar à algum tempo.

Andreia – Oh-meu-deus, vocês só dão prendas lindas lindas lindas, obrigada mesmo.

Sara – Finalmente, a minha vez amor.

Andreia – ai tão apressadinha a minha melhor amiga. Vá dá lá.

Andreia abre o saco e tira de lá uma lingerie que a deixa de boca aberta.

Andreia – ai Sara, só tu para me dares uma coisa destas. Tu és louca. Opá obrigada amor, a sério.

Sara – Cala-te, isso é mais para o Fábio ver, ahah. De nada amor.

As meninas apressam-se a ir comer qualquer coisa e encaminham-se para o estádio.

A joana, que tinha o seu bilhete e o da Inês, acabou por dar a umas amigas visto que eles iam para os lugares das acompanhantes dos jogadores.

O estádio estava ao rubro, estava casa cheia, por todo o lado se ouviam gritos pelo nosso Benfica. Era hoje, o primeiro jogo do campeonato, tínhamos de começar já a ganhar, este ano tinha de ser nosso o título de campeões nacionais. Durante o período de aquecimento começaram a ouvir-se os nomes dos convocados, que eram Artur, Paulo Lopes, David Luiz, Luisão, Garay, Javi Garcia, Nelson Oliveira, Rúben Amorim, Nolito, André Almeida, André gomes, Maxi pereira, Melgarejo, Óscar Cardozo, Enzo Pérez, Pablo Aimar, Nico Gaitán, Salvio, Ola John, Rodrigo, Lima, Fábio Coentrão, Matic. Começou o voo da Águia e ouviu-se o hino. Ficámos nos instantes a seguir a saber do onze inicial, que era Artur, Luisão, David Luiz, André Almeida, Fábio Coentrão, Javi Garcia, Pablo Aimar, Nolito, Salvio, Óscar Cardozo, Nelson Oliveira.

Ouviu-se o apito inicial do jogo. Segue o Braga com a bola. Aos 5 minutos Javi Garcia faz uma falta quase à entrada da grande área sobre Mossoró, o livre é distante, mas perigoso,.. Hugo Viana ajeita a bola, e põe-se em posição para marcar. O árbitro apita e  Hugo Viana marca com força suficiente e com jeito, fazendo com que a bola ganhasse um efeito impressionante,… Golo do Braga.

O jogo manteve-se inalterado até ao intervalo, havendo apenas a substituição de Javi por Matic aos 35 minutos, por o primeiro ter sofrido uma entrada forte de Alan, ficando um pouco magoado.

Na segunda parte Benfica atacava muito mas não chegava ao golo, os adeptos já desesperavam, e o Jorge Jesus para meter alguma velocidade no ataque, tira Cardozo e mete Rodrigo aos 50 minutos.

Em todo o estádio se ouvia os cânticos dos NN boys, o apoio era incondicional para levar a equipa ao golo. Entretanto André Almeida leva amarelo e Jorge Jesus aos 75 minutos decide tirá-lo para por Rúben Amorim.

O Benfica atacava como nunca antes visto neste jogo, o tempo era reduzido para um empate. No entanto aos 85 minutos há um corte de Mossoró pela linha lateral do lado direito, já há entrada do meio campo do Braga, Rúben Amorim lança para Salvio, e este passa para Rodrigo. Rodrigo endiabrado finta dois e passa para o centro do terreno para Matic. Nolito desmarca-se da esquerda para o meio, para as costas da defesa, Matic apercebe-se disso e faz um passe picado, Nolito recebe de peito e faz um chapéu ao guarda-redes de calcanhar,.. está feito o empate.

O golo deu sede de mais e o Benfica continuava a atacar. O apoio dos adeptos era incondicional. Já tínhamos chegado aos 90 minutos e eram 4 de compensação. O Benfica só atacava, e faltava apenas 50 segundos para o jogo acabar, havendo assim gente insatisfeita a sair do estádio. Quem ia a sair virou-se para o jogo novamente porque o público estava a puxar pela ultima arrancada do Benfica no jogo. Era um lance de David Luiz, o homem estava possuído, fintou 3 jogadores e passou para Matic, este com uma rotação tira um homem do caminho e passa em profundidade para Nelson Oliveira, este passa de imediato para Rodrigo e chuta com força batendo assim no poste com estrondo, sobra para o defesa do Braga mas este não repara em Fábio Coentrão que parecia uma flecha. Tira-lhe a bola, está frente-a-frente com o guarda-redes, tira-o da jogada com um toque subtil e,..

Aqui têm uma ideia das prendas que eu idealizei.

Ps. Obrigada Daniela, Nii'i e Mónica pelos vossos comentários, são umas fofinhas.